segunda-feira, janeiro 17, 2011

último poema.





o sonho é um origami determinado pelo vento.
assim renasceu e há-de morrer.

Foto: grulla.

designed by Roman Diaz and Daniel Naranjo

diagrams: origami for interpreters - Roman Diaz

20 comentários:

Arábica disse...

Abraço,

Mar Arável disse...

Se necessário

contra o vento

heretico disse...

contra ventos e marés. o sonho avança...

beijos

Rui disse...

fénix

JPD disse...

Glosando...

«Sempre que um homem sonha...»

Bjs

Justine disse...

A leveza e a determinação - assim são os sonhos, até os matarem...

augusto, um entre mil disse...

podemos construí-los

se os manusearmos muito acabam por estragar-se

ou então o correr do tempo...

Idun, a felina disse...

sonhos que nos vão construíndo e nos ensinam a voar...é desses que eu mais gosto.

(então, que tal o encontro-surpresa com a Fada Das Senhas?) :)))))

Aníbal Raposo disse...

Passei, li e gostei.
Abraço

observatory disse...

continua elegante
e confortavel...

mfc disse...

Uma arte linda!
Um abraço.

quanto pesa o vento? disse...

o último de muitos.
abraço.

Alien8 disse...

Belíssimo.

Que mais dizer?

Um abraço!

jorge vicente disse...

sonho-te

num papel de amanhãs possíveis.

abraços!

Teresa Durães disse...

Tenho um convite no meu blog!

joão marinheiro disse...

Como saber se as palavras constroem o ultimo POEMA?

augusto, um entre mil disse...

para ti um natal o melhoor possível.

e um beijo meu.

augusto, um entre mil disse...

será que passas por cá, ao menos para abrir janelas e dar ar ao pó?

ou fizeste o que eu fiz ao face?

abraço grande

Idun, a felina disse...

então, quando é que temos novo post?
será preciso eu deixar aqui umas arranhadelas????

marradinhas amistosas da bicharada do "pequeno jardim"

Rui Fernandes disse...

Não vim para comentar, fá-lo-ei com disponibilidade. Apenas desejar um feliz Natal. Rui