sábado, abril 17, 2010

menina

(anseios de liberdade e espaço.
erros humanos ou de sistemas






correcção





percepção da realidade: visão.






Ou apenas.








Talvez as revoluções tenham morrido à nascença.






ventos e silêncio.







incógnita .





nem quer








observando o que o mesmo lhe traz.

sujeito.








pequenas doses
decide viver





terra de ninguém..


.




54 comentários:

Justine disse...

Como um tango - ou uma sinfonia - esta tela entretecida de palavras e imagens com que nos contas um percurso, um dos teus percursos.E nos dás conta de uma -talvez -decisão. Tempo de mudar? Talvez...tu o saberás. Se sim, terei saudades dos apontamentos em pequenas doses:))
Abraço

arabica disse...

Justine :)) espero que a substituta tome bem conta do assunto e do seu papel. :))
Se assim for reconhecerás as pequenas doses ainda que... ;))



Abraço

Licínia Quitério disse...

Novos rumos se avizinham. Fico à espera de notícias. Que seja um lugar tranquilo e bem vivido.

Beijinho, Amiga.

Rosa dos Ventos disse...

Talvez...
Só terás algumas certezas ( e poucas ) se experimentares!
Afinal o que é a certeza?

Abraço

arabica disse...

Licínia,

pode não ser tão tranquilo quanto este...até nas melhores paredes podem aparecer sinais do tempo e dos fenómenos meteorológicos... :))

Logo se verá quando chegar a hora de escrever e delinear o ritmo e a perspectiva. Ainda tudo dança na minha imaginação. :)

Beijinho, Licínia!

arabica disse...

Rosinha,

eu sei lá o que é a certeza! :)
Logo eu que tenho o péssimo defeito de pôr as filosofias (mais ou menos baratas da vida) em causa...!

Mas apetece-me escrever disparates.
E neste contexto, era um disparate :)

Abraço!

uf! disse...

Bom dia, bom domingo, boa música, belas fotografias. Magníficas fotografias. Valeu a pena o passeio :-)
Quanto ao resto, todos os dias acordamos diferentes; só na ilusão permanecemos iguais; mas há vezes em que essa diferença apetece como uma outra margem. Bom salto :-)
beijos

arabica disse...

Obrigada Uf!
Bom dia e bom domingo para si também!
O passeio valeu muito a "pena": praias abandonadas -ainda- ao sabor das marés vivas, ecrans planos de areia, onde o vento traça um mapa indecifrável...

A surpreendente oferta das imagens pelo acaso das tempestades salgadas e eolicas;o encontro com a bóia medidora de marés arrastada da barra até ali: nunca foi um barco naufragado (embora a imaginação pregasse partidas à memória, atraiçoando-a); e as ameijôas...? ai! :) tantas e tão deliciosas regadas a limão! hummm...e as flores? e as ondas de espuma branca a vestirem o pontão, cobrindo-o como um véu farto?
E o Farol sempre imponente e vigilante, tomando conta da língua de terra? tão imponente, alto, digno e solitário na sua dificil missão...adoro, amo, aquele farol e não consigo explicar porquê...já fui pirata naquelas areias, só pode ser por isso, :) ainda que tenha agora outras, lamento ainda a perda daquelas imagens! :)

E sim, às vezes apetecem registos diferentes, como na música; à margem de mim ou nem por isso, a ver vamos! :))


Espero, no salto :) não partir o pulso :))

Beijos

jorge vicente disse...

E és tu essa menina.

Belas viagens, Amiga. Este blog é sempre o teu. Estás aqui guardada, com o corpo todo.

Sempre.

Um belo abraço
Jorge

p.s.
e nós nunca te perdemos. os teus leitores e amigos

Inês disse...

Um mistério esta vida.
(Que seja infinita enquanto dure).

Mar Arável disse...

Seja como for

o amor

é revolucionário

Bjs

Maria disse...

Não sei se este teu percurso acaba aqui - talvez...
Se recomeça outro, noutro espaço - talvez...
Sei que de repente fiquei com alguma nostalgia, uma pequena dose...

Abraço-te.

arabica disse...

Jorge,

obrigada por esse comentário de quem me lê e assim me escreve, quase em tom de vidente olhando a palma da mão...

...e sim, também é verdade, nunca me perderão, os amigos.

Um grande abraço. :)

arabica disse...

Inês, que seja.
E cada momento, por pequena dose que seja, seja em si mesmo, uma vida...

arabica disse...

Eufrázio,

... o amor, o amor primeiro, umbilical e genético...

Um abraço.

arabica disse...

Maria, eu diria que não, que não acaba aqui, acabará decerto neste formato - quantos lados tem este fogo, a vida?- para continuar num outro qualquer, uma forma como qualquer outra de sem sair de mim mas "desfocando-me" poder brincar...

Também foi com uma certa nostalgia que fotografei, sabendo que era para o último post. As imagens, à medida que iam sendo gravadas, iam contando a história vivida nas últimas semanas e de certa forma mostrando o caminho da decisão tomada semanas antes. Conheço-me e este registo poderia de facto, tornar-se nostálgico. Repetitivo na nostalgia. Não o quero. Nem quero alimentar a nostalgia ou a tristeza. Vivê-la faz parte, escrevê-la é uma escolha e eu escolhi que não.

Por isso... :))

Um abraço.

Barbara disse...

Acabo de ler uma menina que cresceu em ti e te fez sábia.
Estivestes tecendo lá nos comentários e chego cá e vejo o quanto deves mesmo tecer a vó , a ancestralidade, pois a técnica, é o de menos.
Talento tens.
Nas tecituras em ti.

Barbara disse...

Acabo de ler uma menina que cresceu em ti e te fez sábia.
Estivestes tecendo lá nos comentários e chego cá e vejo o quanto deves mesmo tecer a vó , a ancestralidade, pois a técnica, é o de menos.
Talento tens.
Nas tecituras em ti.

Lizzie disse...

Pois, cada um lá saberá com que barco se fará ao vento, em que casa se abrigará.
Se as doses são pequenas ou grandes também depende da fome que não há contadores infalíveis de medida certa.
São como os corações: nenhum bate tão certo que nunca se engane.
Quanto a fantasias, o que seria do mundo sem elas?
Até os meus cães e gatos brincam e se brincam é porque imaginam e se imaginam é porque sentem.

Gosto da porta deitada porque não sei se tem outro mundo horizontal para além dela.Existem muitas histórias começadas com portas fora do sítio. E tudo quanto está fora do sítio fascina. "Abristesia"?:))

Besos

MagyMay disse...

E porque não o concretizar do apetecer "talvez"?
Experenciar nem que seja para voltar ao antes. Mas, certinho e direitinho, que nada ficará igual, Cafezinha...

Volta ou revolta...vestida de roxo ou azul celeste... topo-te!!!

arabica disse...

Bárbara, não é fácil...pelo contrário, é missão dificil quanto mais, ganhando contornos de exorcismo...

Obrigada, um beijo -leve, leve.

arabica disse...

Lizzie, eu estava a gravar nas memórias (na dos olhos e na do cartão) a porta fora de sitio e a lembrar-me de ti.:) Abri. Não, exagero: entreabri. Assomou-se do lado de dentro uma lufada de areia de avental branco que me disse "agora não, venha mais tarde". Voltei lá depois das ameijoas, assim como assim, não havia nada a perder na persistência de vendedora de círculo dos leitores encartada.

Fui bem recebida, apresentada a uns seres estranhos de olhos microscópicos e sorriso descaído como se comprova pela penúltima fotografia do post.

Vivem entre o assombro e o sal, transportam séculos durante a noite e confessam-se culpados por todas as fascinantes portas fora de sitio que aparecem em praias desertas.

Não têem fundo de maneio para comprarem camiões tir, por isso, imagino-os transportadores incansáveis sem fim à vista em Kms e cargas horárias...

São eles e eu. E tu. :)

Um abraço :)

arabica disse...

MagyMay

vais-me reconhecer, eu sei.
Também não pretendo esconder-me ou fingir-me estranha. :)

Ah:)) aí está um detalhe em que ainda não pensei: a foto do perfil! :)) Estou feita num oito.
Ai! :))

De roxo, por todas as razões mais a do senhor dos passos de cacilhas parece-me bem concebida. :))


Um beijo menina MagyMay :)

mdsol disse...

Chego aqui já tarde. Muito foi dito e interpretado, Fico-me pelo gosto que foi ler o jogo corrido entre as palavras e as imagens.
Beijinho

:)))

maria manuel disse...

muito obrigada pela passagem pelo meu sítio!

essa menina, tua memória de menina, teve a dádiva de ser ensinada a olhar, a pensar, a questionar, mas cresceu e confrontou-se com um mundo que se normalizou e despersonalizou. é uma história importante de se contar. como outras que deve ter ainda para contar. noutro lugar, ou doutra maneira, à sua menira...
beijo.

Rui disse...

Do tamanho da dose, sabes tu. Eu gosto de toda a maneira e feitio.


bj

alice disse...

neste ou noutro blog, o que importa é poder contar com a tua presença. um beijinho grande.

segurademim disse...

... um dos meus projectos é abrir 10 blogs e andar a falar sózinha de um lado para o outro


quando me reformar faço isso está prometido

arabica disse...

Solinho, nunca é tarde. :)
Deu-me gozo jogá-lo, muito obrigada :)

Um beijo. Ou dois :))

arabica disse...

MManuel é sempre um prazer passar lá, passar por ti, ler-te, conhecer-te mais um pouco. :)

Confesso-te que sou timida. E "mandriona" também. Não sei qual destas duas características, pesa mais na hora de contar histórias. :) Também muito dependerá se as mãos acordam soltas ou, se pelo contrário, presas a uma qualquer tendinite imaginativa se tolherão. :)

Há dias em que sou tão minimalista!

Não sei se foi o mundo que se despersonalizou, se fomos "nós" na marcha inexorável do tempo que nos fomos adoentando com uma qualquer mas tão elevada carência que acabamos por o despersonalizar.

Sociedades, rumos, tragédias financeiras e mais crises existenciais é um peso elevado para uma estruta simples de ossos, musculos e tendões... :)Valha-nos a água :) pois, para não desidratarmos! :))

Obrigada pelas palavras e pela visita. :) Um beijo.

arabica disse...

Rui :))


é recíproco. Tu sabes :)

Abraço

arabica disse...

Li, obrigada.

Boa viagem até Silves e de Silves até nós :)

Um abraço.

arabica disse...

Segura de Ti,

sabemos lá nós para o que estamos guardadas quando nos reformamos!
Sabemos lá nós o que de repente nos acorda às 6 da manhã ou nos faz estar a pé até às 4 da matina! :)Ou deitados sem dormir :)
Permite-me que te diga isto, porque já me reformei há 5 anos e ainda não cheguei ao 5º blog!!! :))
Quanto ao falar sózinha...as histórias que me lembras...eu tinha um colega que muitas vezes falava sózinho...e eu ainda míuda, perguntava-lhe Sr. C. está a falar sózinho? ele a rir dizia, não não, estou a falar com uma pessoa inteligente!! :)) Será que a inteligência depende do número de pessoas com quem comunicamos? ;))
E já reparaste na quantidade de pessoas que andam a falar sózinhas de um lado para o outro na cidade?
E se elas tivessem um blog e em vez de falarem sózinhas andassem a comentar os posts dos vizinhos e amigos? :)) Ou a escrever posts ?
Há tanta forma de divertimento, tanta forma das pessoas se sentirem bem no sitio onde estão, no momento em que estão, na sua onda...e sem chatearem ninguém...
:))

Eu desde que me reformei ganhei o hábito de fazer coisas novas. E palavra de reformada: ainda não disse uma única vez, dessa água não beberei. :))

Um beijo, um scone, um chocolate com sabor a laranja, enfim, tudo o que nos faça felizes :))

via disse...

há sempre formas incompreensíveis mas eficazes de ultrapassar a frustração, ouvir esta música, por exemplo.

arabica disse...

Esta música, Via, tem uma história.
Não percebo uma palavra do que é cantado. E contudo, viciada, não consigo deixar de a ouvir. Tão viciada ando nela, que no outro dia, fotografei o fumo do meu cigarro e pareceu-me ver a forma de uma bailarina.
Juro que não bebo bebidas alcóolicas há mais de uma semana e que fumar, se limita ao SG. :))

maré disse...

:)
fantástico post ilustrado de forma soberba.

também desejo uma casa de janelas abertas onde a vida se assimila


beijos

arabica disse...

:) Obrigada, Maré!

Talvez baste uma parede
amparada por uma grande janela.
Talvez baste...

Beijos

segurademim disse...

comentando o comentário:

há cinco anos reformada?! sortuda!
pois eu nem sei se daqui a trinta anos, quando me reformar haverá reforma!!!...

e apenas referi um dos projectos para daqui a 30 anos, porque tenho muitos mais, olaré!!!
...aperfeiçoar as sevilhanas, o idioma russo, chinês e tailandês, fundar um lar para doentes com alzheimer, uma boite para adolescentes de 50, patentear a cura da esquizofrenia, ir à lua no fim-de-semana, entrar no ramo da construção civil...

é claro que posso quinar daqui a meia hora esborrachada por um camião TIR... apesar de ser SEGURA

arabica disse...

Segura, acabada de chegar das compras :)) fico muito satisfeita por te ver uma mulher de projectos arrojados :) ainda que a fossa temporal entre o agora e o depois te possa virar tudo de pernas para o ar e acabes apenas por criar blogs temáticos: "Os cotas abanam o capacete" "Sevilhana sou eu", " Калинка, калинка, калинка моя!
В саду ягода малинка, малинка моя!
Калинка, калинка, калинка моя!
В саду ягода малинка, малинка моя!Kalinka..." e quem sabe? "Ir à Lua e voltar", tudo isto com as ajudas de custo governamentais habituais para os cidadãos da 3ª Idade :))

Ah! Agora que sei que a partir de 2013 vamos ter ajudas de 30% sobre o valor das viagens, o meu sonho é viajar ;))

E agora cuida-te, vou pegar nas compras e no camião TIR e pôr-me a caminho ;)) não te garanto não derrapar nas curvas ;))

Beijos e risos (isto deve ser coisa de família)

uf! disse...

Vanda, hoje fui à Guia; nem na Bertrand nem na Fnac; acho que vou ter de lhe meter uma cunha :-)
Bjinhos

© Piedade Araújo Sol disse...

o poste embora longo, nao se perde nada da sua leitura agradavel.

gostei do que aqui retratas gostei de como aliaste as fotos.

gostei de tudo

um beijinho grand

Daniel Aladiah disse...

Querida Arabica
Vejo que estás engendrando algo de novo. Será sempre uma festa!
Um beijo
Daniel

uf! disse...

passei para escutar a música e agradecer a disponibilidade
:-)
bjs

Gasolina disse...

Em pequenas outras doses para quebrar a rotina.

Ou só porque apetece.


Ou porque há outros aromas a experimentar. Sem ter de se ficar viciado. Ou talvez sim.

Vai. Eu vou lá estar.
:~D

arabica disse...

Uf! encomenda feita, para a semana, em principio, enviarei.

:) A música merece todas as visitas.

Abraço.

arabica disse...

Piedade, fico contente quando gostam e neste caso, última pequena dose, não minto: fico duplamente feliz. :)

Um beijo para ti.

arabica disse...

Daniel,

:) confirma-se, gosto de mudar, gosto de fazer coisas novas, aliciam-me alguns desafios, sou desafiada por algumas ideias que não me largam ao longo dos anos.

Dê-se vida à heroína, que mais ela não me pede :)

Obrigada, Daniel, retribuo o beijo. :)

arabica disse...

Ai Gasolina, nem me fales de rotinas! :) Foram sempre tão dificeis para mim.
Porque apetece diferente.
É quanto basta e chega! :)

Obrigada pela presença cá e lá :)

Beijos

Humana disse...

com que então, em construção de nova casa!
que ela te seja um lugar aprazível - mesmo que tenha - e, sobretudo, se tiver - labirintos e túneis e um comboio-fantasma à espera dos leitores. :)

abraço

legivel disse...

Também já me debrucei sobre o assunto (quando morava num rés-de-chão, que eu não sou maluco!) e nessa altura, as coisas vistas de tamanha altura não me pareceram tão dramáticas quando observadas da rua. É pois, apenas e uma mera questão de perspectiva, que é uma das primeiras coisas que se aprendem nas aulas de desenho.
Agora vou passear com o meu Cão Incomum - um personagem que criei recentemente e que não me larga a labita. Ao contrário, as personagens da minha vida real, estão bem de saúde, recomendam-se e dão-me carta branca para colorir a manta. Que ora me tapa, ora destapa.

Abraço e sorrisos.

legivel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
legivel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
dona tela disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
joão marinheiro disse...

Gosto destas tuas fotos, especialmente a do poço com a bomba pintada em azul, a lembrar-me a ilha de areia no algarve...
beijo