terça-feira, dezembro 01, 2009

Este post não pretende ser mais que o encontro entre três energias, que por coincidência se cruzaram durante a última semana.

A de Julieta Cervantes, fotógrafa, que descobri por puro acaso, quando tropecei num pequeno livro, onde uma fotografia da sua autoria vinha publicada e de quem publico duas outras, encontradas na net, completamente encantada com o trabalho desta mulher.

a da Amnistia Internacional, que luta por uma sociedade global mais justa.

a de Meredith Monk, cujo trabalho me foi apresentado pela Zuli, a amiga dos desenhos no blog "nas asas de um lápis".

Talvez seja apenas uma visão minha, confesso que nesta tarde de chuva, fotografias, educação de Direitos Humanos e músicas, todas se interligam de forma perfeita.






.





.

17 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Nesta já noite escura soube-me bem vir aqui e ver o cruzamento que fizeste destas três perspectivas!

Abraço

Duarte disse...

Não sei se gosto das fotografias ou da plástica que expressam, o conjunto deu um resultado acertado.
Boa eleição musical, a adequada!...

Um forte abraço

JPD disse...

Bela sugestão.

Hei-de espreitar o trabalho fotografico.

Saudações

casa de passe disse...

Nada percebo de fotografia, só sei se gosto ou não e julgo que é isso que importa. Para mim é pelo menos isso que conta.

Mas gostei das tuas palavras e vou espreitar o blog "nas asas..." e procurar Meredith Monk.

um beijinho


Alice, a Fininha

Barbara disse...

Ô mulher de bom gosto - você!
Mas confesso que ainda sinto as chuvas, todas , da ambição humana a derreter o sonho dos direitos humanos.
1 abraço e obrigada.

Val Du disse...

Oi, Vanda.

Belas fotos.
Gostei.

Boa semana p/ você.

Beijos.

Mar Arável disse...

Um belo casamento

em comunhão de bens

Bj

Fred Skill disse...

Estas "três energias" interligam-se de forma perfeita com a "tua energia"!

A.S. disse...

Venho deixar-te um terno e doce beijo... de SAUDADES!!!
Acho que o pior já passou!!!!!!!!!

MagyMay disse...

A despertar-me os saberes, tu... não conheço Julieta Cervantes, nem Meredith Monk... vai ser um TPC num próximo domingo.

Um bom dia, para ti Arabica

Lizzie disse...

Tudo se liga porque tudo faz parte de um todo que é a diversidade constante do mundo.

Seja em que circunstãncias forem, ou os propósitos inerentes, a dança vive da imagem parada ou contínua. É um sentir visualizado.Entre fotografos e bailarinos há sempre relações de amor-ódio: uns procuram o instante do movimento, outros o seu fluir.
Na dança, uma fotografia pode ser uma palavra isolada de qualquer texto que lhe dê sentido.
De qualquer forma, quase sempre resulta em Beleza.
A Julieta Cervantes consegue, mesmo em fotografias programadas, respeitar a autonomia desse fluir e a sua expressão.

Quanto à Meredith Monk, pois é interessante ver como com a mesma fonte de influências, tantos criadores têm percursos tão diferentes.
Só isto dava longo discurso:))

Abraço.

Justine disse...

E energias encontrada são energias multiplicadas...
As fotos, magníficas. Vou aprender mais!
Abracinhos

Sandra disse...

É por estas e por outras que me sinto tão bem neste blog.

:) :) :)

alice disse...

belíssimas fotografias! muito inspiradoras :) acho que vou roubar uma, posso? beijinhos*

alexandrecastro disse...

olá vanda. muito interessante este "cruzamento de ideias". o resultado final? Perfeito. bjo

~pi disse...

fiz um workshopo inesquecível com Meredith...

em aveiro, aqui mesmo:)

imagens beeeelas!



beijo




~

Alien8 disse...

Notável, Arabica.

Desconhecia totalmente. Obrigado por ma dares a conhecer!

Um beijo.