domingo, junho 07, 2009

O puto cresceu, Dulce.
Repara na mudança: é ele que hoje nos leva para a boémia da noite.
A cerveja gelada. A caipirinha atordoante.O puto cresceu, Dulce.
Repara na precisão dos seus dedos nas cordas sensíveis.
No seu semblante sereno e atento.
No sorriso feliz, mas timido, quando os outros que o acompanham,
lhe fazem saltar o seu segundo solo.
Olho-te Dulce, tens um olhar cheio de brilho e de amor,
de quem conseguiu fintar o labirinto, descobrir a saída e, com mais ou menos sacos, fazer frente à noite.
Faço-te uma careta, o açúcar de tia emprestada,
amiga herdada às primeiras horas de nascença como um apêndice,
sobe-me à cabeça, o puto cresceu, Dulce.
Lembro-me dele com cinco dias. Tinhas um cão e eu tinha medo de cães. imagina.
O cão lambia-me as mãos e eu lavei-as para pegar no puto.
Há sete anos vi-lhe esta mesma expressão enquanto víamos o "Fabuloso destino de Amélie Poulain", sentados nas cadeiras do Fonte Nova, lembras-te? Era dia de ano novo.
Mal tinhamos dormido, estavamos bebedas de sono.
E ele atento, olhos no ecran, maravilhado com os olhos da Amélie.
Mergulhado no enredo que se estendia mágico, mas complexo, para um puto de nove anos.Também foi este ar que lhe vi quando aos 11 anos, me descreveu a Praça Jamal El Fna.
O puto cresceu.
Um destes dias vai encontrar a sua primeira Amélie, e vai-se perder numa qualquer cidade desconhecida, agora que sabe como a música se constroi, meia dose de intuição e sensibilidade, outra meia de prática, e mais uma, bem medida e inteira, de estudo e atenção.
O puto cresceu, Dulce. Olho o Eduardo, pai nas nuvens, as tias verdadeiras, as restantes emprestadas, os tios emprestados, todos nós embevecidos.
O puto cresceu, Dulce.
E nós também.









Música: Wonderwall, The Coltrane Quartet.

26 comentários:

Duarte disse...

Fez-se noite, e ao nascer do dia vi como crescia...

As palavras fluem numa prosa dinâmica e amena, que engancha.

Boa música.

Beijinhos, meus

Su disse...

cresceu............... o puto cresceu....................



perdi.me no tempo

jocas maradas de noites quentes

Teresa Queiroz disse...

é bom quando sabemos crescer com eles ...;)

Teresa Durães disse...

o puto cresceu. como sei disso. e não sei se cresci com ele

innername disse...

delicia. O tom intimista e cumplice de quem assiste impavido a uma especie de milagre. Os olhos não querem crer, mas ele cresceu e vocês tb.
Está delicioso até nos pormenores e premonições. Que encontre a Amelie dele.
Coltrane quartet neste wonderwall...soft

Licínia Quitério disse...

Os putos crescem, Arabica. E ensinam-nos a crescer. Depois, uns olhos de Amélie levam-nos a refazer puzzles de vidas dispersas.

Invejável amiga Dulce que tão linda carta recebe.

Beijo grande.

Marcia Barbieri disse...

Adorei o texto me fez crescer...e me fez voltar à infancia....terna.E a música me conquista

beijos ternos

Laura disse...

Gostei!

Justine disse...

E aqui fico eu, quase(quase) demasiado emocionada a pensar nos putos que tenho visto crescer e que o teu texto me trazem ao coração.
E que melhor acompanhamento para um texto empolgante de ternura, perspicaz e intuitivo, que a música do Coltrane(ah, o Coltrane, sempre, todos os dias)

Rosa dos Ventos disse...

Cresceu e cresceu em graça e sabedoria...

Abraço

vaandando disse...

...que bonito , só nós ás vezes não vemos ... Não podemos , não queremos , porque não nos queremos subtrair a qualquer coisa!
O puto cresceu Dulce !
abraço amigo !
______________ JRMARTO

Carol Lisboa disse...

como esta lua cheia. (ahh.. que música)

observatory disse...

o que nao cresce?

mateo disse...

Ai... os putos que nos fazem crescer.
Ai... os putos!
Beijos.

bettips disse...

Dona senhora pousou a vestimenta no velho cabide. dona senhora mudou o olho cor de oliva. a menina que conheço espreitou uma sombra de lua e sorriu: há gente que sorriu ao mesmo tempo.
De fugida, de passagem, deixo-te um abraço, rosa - uma écharpe de Isadora a acenar às papoilas. Um dia mando-te uma foto do meu tempo cor de rosa, de que me fizeste lembrar.
Bjinho

© Piedade Araújo Sol disse...

pois é.

o puto cresceu e como cresceu!

belo texto.

gostei tanto!

beij

mundo azul disse...

_________________________________

...sim! E eles crescem rapidamente...Não perdemos ainda o cheirinho do bebê e já estão com cheiro de colônia, prontos a ir ver a namorada...

Mas, é tão bom ve-los crescidos, independentes e maravilhosos!

Adorei a crônica!

Beijos de luz e o meu carinho...

_________________________________

triliti star disse...

muita ternura por aqui...


ainda bem.

observatory disse...

li qquer coisa escrita por ti...

explica-me aquela da escrita feminina

para mim é um caso que nao se poe


bjº cesar

Arabica disse...

César,

julgo que deixei bem explicado: é uma "mania" minha, escrever muitas vezes "homem" quando me refiro ao ser humano...

Não te posso dizer mais, do que já está definitivamente escrito, em caixinhas de comentários...

José Manuel Dias disse...

Uma escrita fluente que aprecio ;-)
Bjs

pin gente disse...

e assim o mundo avança...
beijo

~pi disse...

nick drake não cresceu

) apesar do seu metro

e noventa

mas é o meu anjo agora, sabias!?*





beijo






~

LBardo disse...

Dá para ver que isto aqui tem mesmo dose de arabica. Despertei num instantinho!



Eles nunca crescem sózinhos. Nem o mundo à nossa volta. Esse "engrossar" é comum, só a nossa inocência madura acha que não nos toca a nós.



bj.do meu parapeito

Gasolina disse...

Gosto do crescimento das tuas palavras.

Mas sinto um especial apreço pelo teu pronome, porque muito do que dizes identifica-me.
(Não há comments lá, daí fazer aqui a referência).
Além disso, está feito num registo que já te encontrei de outras vezes e de que gosto muito, muito.

Um beijo

Arabica disse...

Gasolina, muito obrigada.

Não sei o que acontece ao item "Comments", em alguns casos está visivel, para outros não.

Quem sabe no novo post, já não aconteça.

De qualquer forma, é algo alheio à minha vontade.


Beijos para ti também.