terça-feira, outubro 06, 2009

24 comentários:

Arabica disse...

Gaivotas. Recortes. Chuva. O cheiro a terra quente e molhada. Trovoada. Um jantar sob os relampagos. Um arco iris sobre o mar. Um copo de vinho tinto. Um castelo de quatro torres desfeito quando o mar, gordo, galga o areal abandonado.
Outro castelo. A serpente. Os quatro cantos do mundo. A cidade. A parede que um dia um homem há-de possuir e chamar sua.
Uma luz, uma fresta. Uma janela.
Um barco esquecido num rio que já ninguém navega. Uma ponte. Ferro.
Ir. Partir. Largar amarras.
Folego. Os campos de trigo maduro.
A imensidão das libelinhas imaginadas. Sentidas. Remoinho. A fé. A estrada. O cabo. O pro-fundo. O farol, no tempo que chega ao fim: we must go on.
E volta-se a partir.

No pano já gasto, agora dobrado, guardam-se as memórias do corpo que o usou...até já, verão...

Arabica disse...

E o gato? perguntarão...

E o gato?...

Justine disse...

O gato atento.amarelo. felino. seguindo sem pressa o pássaro distraído. no telhado branco. até chegar o cansaço. e partir de novo. para outra aventura.
(belíssimo o teu slideshow. e o texto não fica atrás)

O Árabe disse...

Belo post... ainda que disfarçado de comentário. :) Boa semana!

Lizzie disse...

As escarpas chamam a lua que segredou às marés um canto antigo onde deuses que eram gatos viam o extraordinário muro das pessoas a correrem pelas vielas estreitas que eram interditas ao voo das cegonhas porque as aves não gostam das pontes entre mundos que são os pelourinhos e preferem ver as terras do alto como os faróis que têm olhos focados na distãncia e são filhos do horizonte e da terra onde estacionam as casas com sofás dentro e onde os gatos se deitam quando estão de folga no seu labor de deuses dos telhados que são pistas de aterragem das nuvens...

bettips disse...

Encantatório - e desta vez até ouvi a música.... Olhos de ferro, facetados, das cobras atentas
tijolos no ocre
gato no branco
longitudes e lonjuras
tão perto

(da alma)
Lindo, V.!!!
B

Duarte disse...

Boas e oportunas fotografias, de protagonistas e sítios para mim desconhecidos, mas cheias de encanto, me maravilharam...
A música, a adequada!
Gostei muito

Um grande abraço

Mar Arável disse...

Gostei muito

de espreitar

pelas frestas

Bjs

Barbara disse...

...só a imaginação tranforma, só a imaginação trantorna...
Arábica.

Rosa dos Ventos disse...

És uma fotógrafa de cinco estrelas, mesmo que não tivesse aparecido o gato amarelo! :-)

Abraço

casa de passe disse...

Ai, o gato. Como ele me fez lembrar da minha saudosa que tanto gostava de gatos.


Ernesto, o avô

casa de passe disse...

E gostei, sim senhora, vi por aqui imagens lindas.


Ernesto

Licínia Quitério disse...

O slide é um poema (ou muitos) e o post-coment ainda outro. Valeu a pena a madrugada, escolher, rejeitar, adicionar, rememorar. A cor e o preto e branco, de mãos dadas, de ferro e tijolo e cal. E os rios modestos e o mar enorme. O gato esteve lá para espiar, para não contar, que só os olhos dele viram o que não mostraste.

Um abraço, de Verão e Outono.

triliti star disse...

...até à Arvore das Palavras de que também muito gosto.

e, acho que não queres admitir, mas sim, o teu olhar deve ter uns reflexos azulados :)

legivel disse...

Gostei muito daquela que tem um gato no telhado não me perguntes porquê porque para gostar de uma fotografia com um gato no telahdo não é necessário argumentar porque se gosta que eu tenho para mim que se gosta ou não gosta e quando é o caso de gostar a coisa está porreira pá o inverso é que é uma chatice pois o gato pode não gostar que a gente não goste de um gato no telhado e aí temos o caldo entornado e pior ainda porque é dos livros que os gatos gostam é de leite e não de caldo e pensam que nós estivemos a tangueá-lo e se há coisa mais perigosa que um gato assanhado por se saber gozado é um gato assanhado no telhado.

jinhos.

mfc disse...

Estive a espreitar... tu permitiste!
Obrigado.
Liiiindo.

MagyMay disse...

Lindíssimo o slide...lindíssimas as palavras... lindíssima a música.
(é que ainda ninguém te tinha dito isto, pois não?)

Vou ficar mais um pouquinho aqui...escutando...deleitando

jorge vicente disse...

e o vento. e o mar. trazem o sonho.

beijinhos
jorge

Arabica disse...

Duarte, as fotos são todas originárias do Algarve, desde uma pequena praia em Albufeira até ao cabo de S.Vicente, em Sagres, passando por Silves, Monchique, Lagos e a partir daí, o pedaço da estrada nacional 125 que mais gosto: até ao fim da terra (sagres). É uma zona (ainda) protegida e um passeio que te aconselho a fazer numa das tuas próximas visitas a Portugal.

Abraço.

Arabica disse...

Trili

dizem-me que tenho olhos cor de burro quando foge. :) Palavra de escuteira. :)
Não tenho a certeza se o azulado compõe essa mistura, mas julgo que não:))

M. disse...

PARABÉNS! Belas as palavras, belo o slideshow, bela a música!

Duarte disse...

Repito, belas fotografias.
Conheço pouco do Algarve. Estive com um companheiro da FA que era de Portimão, regressei carregado de figos e amêndoas, que me ajudaram a suportar alguns dias de penúrias e solidão. Mas não tivemos para muito mais, era época de tropa e o tempo e a algibeira escassos.
Sim, voltarei, mas com tempo para saborear os paladares do sul.

Um forte abraço

Fred Skill disse...

Anónimo disse...
O tempo passou veloz entre os alicerces de memória que deixamos em nós...

Ver-te ao fim destes 40 anos ;) traz-me a certeza que só o corpo é possuído pelo tempo, com ele transportando a metamorfose da face...na essência, Poeta, seremos sempre os mesmos, de liquidos sentires nos olhos e na pele...

Por vezes domados pelo mar, outras tantas, na loucura do momento, exultadas vagas suas, na bravura da procura de terra onde deixar adormecidos todos os nossos subterrâneos rios de sal e musgo...


E não me faças mais perguntas, daquele tempo de mel e de flores por colher, daquele tempo em que nenhum de nós, ousou vindimar o fruto, saborear o néctar...

Ternas são as memórias,


que me levam a olhar-te nos olhos, sorrir-te como se o tempo nada fosse e saber-te para lá de todas as coordenadas, como o Amigo que me acompanhou toda a vida em forma de caneta e de palavra...


Beijos, Poeta, uma boa semana para ti :)

Segunda-feira, 16 Fevereiro, 2009

ESTOU DE VOLTA, ARÁBICA... bjs.
http://poesiacrepusculonascente.blogspot.com/

Alien8 disse...

Magnífico, Arabica. Ainda não tinha tido oportunidade de apreciar, mas não deixaria de o fazer. Mares e casario e nevoeiros e vielas e ninhos e mais tudo o que fotografaste com arte e bom gosto.

You've got a friend!