sexta-feira, março 13, 2009

.
.
.


Vivendo entre duas águas:
a esperança e o cepticismo.
.
.
.


.
.
.
Música: Entre dos aguas, Paco de Lúcia.

38 comentários:

innername disse...

tal como eu, as vezes mais ceptica, outras mais esperançada...a musica bem escolhida pra esta sexta feira. Bom fim de semana, Arábica

Amaral disse...

Neste mundo de dualidades, não poderia ser doutra forma.
Nunca como agora, as tuas duas águas são tão evidentes.
Mas só poderemos andar sobre elas, se formos capazes de aumentar a dose da esperança...

Maria disse...

Hoje é dia de definitivamente engrossar um dos caudais...

Teresa Durães disse...

sim, eu estou aí no meio. e, claro, tocando sempre as pontas

Rui disse...

(as que existem estão à direita, nas Janelas Discretas)

anad disse...

Aquele abraço.
Anad

Marina disse...

O equilíbrio é necessário, sempre foi assim...

Marina disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lizzie disse...

Pode lá uma parte viver sem a outra?

Pode lá a racionalidade das lições do aprendido ficar estagnada sem o desejo (e a acção)que levem à melhoria do futuro.

Isto faz-me lembrar o respeito que merece a sabedoria dos velhos e a natural " irresponsabilidade" desbravada dos novos.

Besos y bon fin de semana.

alice disse...

é uma boa síntese do que por vezes acontece e sentimos, mas também se vive com alegria e espanto e tudo é relativo aos dias que correm... e respondendo-te, a loucura e a solidão devem ser da mesma família, mas creio que também as separam certas águas misteriosas! um grande beijinho, arabica. e se vieres, até amanhã...

mdsol disse...

Sabes que tb já "postei" esta música?

Em relação às palavras... Sim, mas mantem a esperanda. O cinismo não é mesmo produtivo!
:))

mdsol disse...

Uma GRANDE DOSE de melhoras...
:)))

Alien8 disse...

Arabica,

Li por aí... não, não foi aqui mesmo acima, foi algo escrito por ti... bebe uma mine que isso passa :)

E de novo as duas águas. A nossa vida.

Beijinhos.

Duarte disse...

Os resultados acabam por ser nefastos.
Nem euforia, nem pirronismo.

Obrigado por trazer-me aqui um dos mais grandes da guitarra espanhola. Também gosto dos sons de Manolo Sanlúcar...

Beijinhos

coxa e marreca disse...

Eu já só caminho sob uma tempestade de cepticismo. Melhor, de descrença.

Mas ainda tenho prazer em ouvir música. Como esta e outras...

Texto-Al disse...

adorei o minimalismo;)

T.

legivel disse...

não se afoga na esperança
é calmo por natureza
no cepticismo não dança
bebe um fino* de certeza.


* Prefiro a expressão fino a imperial

Como é bom ver escrito cepticismo em português de Portugal.

Beijos e sorrisos.

prof disse...

eram cravos?

Daniel Aladiah disse...

A razão e a emoção... alternando-se de forma a que o prazer se sobreponha à dor...
Um beijo
Daniel

prof disse...

... por um lado, pareciam-me camélias; por outro, com tantos cravos abandonados, esmagados pelo país fora...
Não, não creio que tenha abismos neste meu fim-de-semana - e não imagina o quanto o lamento!
:-))))))
Bem queria estar a perder-me no precipício a que me atirei na semana passada mas... é o preço por crescer e ter independência económica: algumas obrigações tenho de cumprir... já não posso agir qual jovem inconsciente
;-)
-bem, pelo menos nem sempre
:-)))))
Obrigada pela música.Só tenho o Paco em vinil e o toca-discos está a precisar de afinação, pelo que não o tenho revisitado.
um bj

mimi disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
mimi disse...

Com Paco de Lúcia, entre dos aguas...
Fui vê-lo ao Campo Pequeno, numa sala que acho desconfortável, mas não poderia perder o seu espectáculo.

vaandando disse...

Uma maravilha , estas »dos águas». Ya ves , tengo sed!
Abrazo de marzo!
_______________ JRMARTO

mariab disse...

é como vivemos nestes tempos... desejando que a esperança seja o caminho final. beijos

Justine disse...

No meio das duas águas, uma ponte: a luta contínua,inabalável, lúcida e implacável!

tinta permanente disse...

Como a praia vive entre duas marés...

abraços!

ah!Paco...

Su disse...

jocas maradas de mar

Val Du disse...

Dualidade é a nossa constante.

Lindas cores!

Bom final de semana.

Beijos.

Licínia Quitério disse...

Assim vamos.
Neste balanço, neste baloiço...

Linda foto!

Um beijo, Amiga.

mdsol disse...

Bem.... vinha saber das tuas melhoras (espero)!
Upa menina
:))

[entretanto reparei que no comentário que deixei acima... falo em esperanda... bolas, estou mesmo a ficar disléxica ou lá o que quer que seja que me põe a trocar tudo... claro que percebeste que era Esperança...]

su disse...

Paco de Lucia...que saudades de o escutar...que bem lembrado! :))

E nós entre essas águas somo a terra insular...o equilíbrio?

Duarte disse...

Desejo um restabelecimento total imediato.

Beijinhos

maré disse...

repetimo .nos


claro escuro
sombra luz
esperança descrédito

o dualismo, quase nunca o equilíbrio.

mas hoje há sol :)

______

um beijo, solar

Humana disse...

"e tu papoila/ minha bandeira breve/ quando voltarás ao teu destino de enfeitar cabelos?"

são cravos, eu sei. mas, aliadas ao teu texto, lembraram-me este excerto de um poema de josé gomes ferreira.

heretico disse...

nesse balanço insisto na persistência...

beijo

Arabica disse...

Humana,

são camélias.

Das Termas de S.Pedro do Sul.

:)

Humana disse...

ora, para além de mais tempo estou a precisar de umas lentes novas. :)

bem, com as camélias o poema será outro. mas as águas serão as mesmas.

abraço

kris disse...

está linda a foto