quarta-feira, fevereiro 18, 2009

.
.
JANELAS DO VOUGA ( II )
.
.
[TERMAS DE S.PEDRO DO SUL]
.
.


.


.


.


.


.



.



.
.


.

.


.
.
.
.
.
.

Música: Várias, Zeca Afonso.

40 comentários:

margarida já muito desfolhada disse...

conheço e gosto muito. aquela primeira casa lá em cima, em ruínas, já a fotografei também. é uma maravilha. talvez em agosto ou setembro lá volte, ainda não sei.

mdsol disse...

As fotografias são muito bonitas, mas hoje... fiquei presa à voz do Zeca Afonso...
Que boa escolha a tua!
:)))

PreDatado disse...

Belíssimo local. As fotos falam por si. Lindas.

(gostei do som. Zeca!)

mariab disse...

conheço. já lá passei belas férias. as fotos estão muito boas.
beijos

ze disse...

E sem querer ser (muito) chato, porquê oito músicas?
Não é que me esteja a queixar, antes pelo contrário, mas seis delas não conheço e queria ouvi-las mais vezes e melhor, e se calhar amanhã ao ritmo que postas quando não estás de termas, já cá não estão!

Beijos e boa noite

jorge vicente disse...

e as casas, com o fumo (por detrás).

são sinais de dentro da terra a mostrar que há gente nas entranhas.

um grande beijinho
jorge

JPD disse...

Olá Arabica

Há imenso tempo que não viajo por aí.

Meritória esta edição.

Bjs

alice disse...

:) quer então dizer que a menina andou a passear? gostei da lua ali em baixo e da música :) beijinhos.

Mar Arável disse...

Conheço

Um paraíso

á flor da pele

Arabica disse...

Margarida,


aquela casa, embora em ruínas tem realmente qualquer coisa de apelativo.


Espero que vás.

Gostei de lá estar nesta época em que que a aldeia está quase dserta.

Beijos

Arabica disse...

mdsol,


não és a única.


:)

beijos

Arabica disse...

Prédatado,

obrigada :)


E sim. Zeca!

Arabica disse...

mariab,


é recente o chamamento do campo em mim.


Não tem mais que meia duzia de anos.


Beijos

Arabica disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Arabica disse...

Jorge,

é um fumo branquissimo, o mais alvo que alguma vez vi.


Beijinho para ti também.

Arabica disse...

JPD,

é de ir e procurar o caminho do rio! :)


Abraço

Arabica disse...

Li,

a menina passeou até sentir vontade de voltar.


E agora anda com as tarefas todas atrasadas. :)


Beijo

Arabica disse...

Mar Arável


é verdade.


E aqui tão perto.

Abraço

Arabica disse...

Zé, são muito mais que oito :)


Tens desde o fado de Coimbra à canção de intervenção. Como a esta altura já deves ter lido o post de cima, já percebes porquê.

Ouve as vezes que quiseres, vais ter tempo.

Há algumas repetições ao longo da lista.

Quem te chamou chato? :) Eu publico mais rápidamente quando se trata de fotos, é um facto. Parece que uma rua, pede outra e que um momento logo tem de ser precedido de outro...

Beijos

Ps-a resposta ao teu comentário aparece fora de ordem porque tinha algumas falhas e trocas de letras :) eliminei-o e passei a limpo :)

kris disse...

Gostei das tuas fotos.Continua o bom trabalho

beijo

innername disse...

a história fala através dessas casas...e o Zeca deixa-nos mais bonitas. Postei há dias Zeca Afonso, que as homenagens a ele são sempre justas. E poucas. Não convém que se apague a história dele. Convém-nos guardar e contar histórias de orgulho, de liberdade.
Por tras daquela janela, o mundo fica mais consciente de que precisa intervir e não baixar os braços.
Bom carnaval

Arabica disse...

Kris, obrigada pelo incentivo.


Claro que a minha máquina é uma digital "baratuxa" de bolso e todo o terreno. Há-de morrer nova mas cansada :)


beijos

Arabica disse...

Inner


o Zeca conta-nos tantas histórias!


Povoam as casas e as janelas, correm pelos montes e pelos caminhos antigos!


Carnaval? Não ligo muito, embora goste de ver o sonho e o divertimento nos rostos das crianças que vestem por umas horas as peles dos seus heróis :)


Tenho um convite para dar de novo ar à mochila, vamos a ver se vou.

Beijos e umas boas mini férias para ti, caso seja o caso :))))

Arabica disse...

Zé,


na lista também está Sérgio Godinho e José Mário Branco (lsta extensa e eu com falta de tempo; enfim, vou dando uns saltinhos até aqui) :)

ze disse...

Tem calma,
que assim vives mais tempo, para fazer mais coisas, incluindo postar textos e fotografias, mas também tudo o resto de que é feito a vida. Até pôr-nos a ouvir SG e JMB.
E muito mais!

Entretanto deixa estar o Zeca que está um palmo acima da sua geração, mas também das que lhe são imediatamente anterior e posterior.

Uma boa tarde,
com calma, que se faz mais.

ze disse...

Só agora é que percebi que são 129!

O próximo objectivo para o meu blogue vai ser aprender a colocar música.
Já está em tempo.

Lizzie disse...

Arábica:

as casas e as janelas são corpos e faces que denunciam temperamentos:

a primeira é uma casa teimosa. Parece uma dama altiva mesmo na decrepitude. Se fosse gente no palco diria, como a Palmira Bastos: "as árvores morrem de pé!!";

a terceira, tão branca entre a pedra, só pode ser excêntrica ou desajustada. De qualquer forma é orgulhosa na sua alvura. afirma-se contra ventos e marés;

a sexta, a do sotão,pequenina,parece-me que está destinada a gente que quer espreitar o mundo mas se recusa a crescer. Tem laivos de timidez. Pode passar despercebida entre as outras. A ti não passou e ainda bem;

a oitava tem espírito de contradição. Enquanto a tendência seria deixar que se visse para dentro, (porque um dos fascínios é inventar ou supôr a vida que corre no segredo do interior)ela reflecte a paisagem. Parece que está de birra. Também pode ser uma janela soldado a defender a privacidade.


As edificações ósseas ferrugentas sempre me fascinaram: são cenários metafóricos e polivalentes.

Quanto a Zeca Afonso, ao SG e ao JMB, conheço muito pouco mas do pouco que conheço prefiro-o a ele, ao Zeca.
Desde o 25 de Abril até me ir embora, apesar da tenra idade, já o meu trabalho era virado para outros tipos de música.Entre escola e ensaios,partidas e chegadas,alegrias mas também desgostos, quase tudo nos passou ao lado.


Besos

tinta permanente disse...

Aquela 'Edificação abandonada à ferrugem do tempo', ali mais em cima, tem semelhanças profundas com um 'país à beira mar plantado'...

abraços!
(belas fotografias)

Rui disse...

Fartei-me de me procurar, mas não me encontrei. Tenho de lá voltar. Sempre.

heretico disse...

belas as fotos. sempre viva a voz...

beijos

Arabica disse...

Zé,

tenho.

Mas tenho tido realmente mais afazeres.


O Zeca fica bem aqui, junto a todos nós.

Cantei-o por lá, na solidão dos verdes campos, com o meu muito restrito repertório; era inevitável lembrá-lo, neste Fevereiro de mochila ao ombro, cais de partida realizado, depois de cumpridas outras chegadas.

Gosto de te ver por aqui.

Beijos

Arabica disse...

Lizzie,


parece que nos encontrámos a meio do caminho naquela estrada: olhando para essa primeira casa (a que mais me entrou pelos olhos), naquela manhã pensei: também as casas morrem de pé. Também as casas morrem de solidão.

E senti uma admiração e um respeito incrivel pela sua altivez, sobranceira ao rio e ao diz que diz da vizinhança fidalga e caiada de novo.

Deve ser por escreveres coisas destas que tanto gosto de te ler. :))


E sim, a pequenina é perfeita para um quarto de brincar, com um cavalo de pau a meio do espaço e, no canto, uma arca cheia de memórias de lata e madeira, tintas estaladas pelos dedos infantis que tanto as usaram....

Não falas da sétima janela, mas conto eu a história imaginada sobre sacas de batatas e farinha, sacos de feijão, prateleiras de vinhos de castas duras e intensas, duas toneladas de lenha e frascos de doces, de laranja e de maçã, de pera e de morango. Os presuntos pendurados, os utensílios de trabalho, adormecidos enquanto a terra não renova as oferendas...



Gostei muito de todas as histórias que nos deixaste em aberto, obrigada :)

Besos

Arabica disse...

Tinta Permanente,


foi bem "apanhado" na foto, não foi?

Foi exactamente a pensar nesse país, que escrevi.


beijos

Arabica disse...

Rui,


foi olhando o outdoor azul, constante na penúltima fotografia que me lembrei do teu post do verão passado :))


Tens de lá voltar para te encontrares :))


Estarás na secção de perdidos e achados? :)

Arabica disse...

Heretico


Bem dito: sempre viva.



um abraço.

Duarte disse...

Estas janelas, irradiam beleza, bem merecem uma serenata e bem que o elegeste.

Abraço-te, reconhecido.

Alien8 disse...

Arabica,

Não sei que mais admire, se as excelentes fotos de janelas, se a música do Zeca.

Magnífico post, Arabica, magnífico!

Abraço.

Arabica disse...

Duarte,


são realmente janelas muito bonitas e expressivas.

De resto, a serenata, aconteceu naturalmente, fruto do tempo e da memória.

Grata pela tuas visitas, também fico eu.

Beijinhos.

Arabica disse...

Alien,

primeiro a música (se me permites o desempate) e depois a caminhada pelas janelas :)


Abraço

Licínia Quitério disse...

Os olhos das casas. Perturbadores, alguns. Ou o nosso olhar sobre elas...

Beijinho.